Segurança nas escolas

Por Natália Mancio

Saiba como identificar se uma instituição de ensino deve investir em segurança privada

Quais fatores influenciam a sua decisão de trocar a escola dos filhos? Corpo docente, reputação, índice de aprovação em vestibulares, localização? Mas será que os pais cogitam em levar o fator segurança em consideração? Com o aumento da criminalidade em todo país, os pais estão cada vez mais atentos a esse fator.

Os estabelecimentos de ensino têm uma missão complexa quando o assunto é segurança. O seu principal patrimônio, certamente, é o aluno, sendo que a garantia de tranquilidade deles é parte do sucesso do negócio, afinal, não é possível ter foco nos estudos se há insegurança, e o clima da instituição é parte integrante do desempenho dos alunos. Além disso, pais de alunos não se sentem tranquilos quando os filhos frequentam ambientes inseguros, assim como, bons profissionais evitam ambientes de trabalho inseguros, por consequência os alunos perdem com a falta de bons professores. “Um bom sinal de fragilidade, além das próprias ocorrências indesejadas, é a percepção do sentimento dos alunos e colaboradores. Não há boa segurança se os frequentadores, sejam eles funcionários, alunos ou visitantes, não se sentirem seguros. A segurança patrimonial garante a segurança intramuros, mas, sem dúvida a segurança do entorno é importantíssima e ela só é possível com uma boa integração entre segurança privada da instituição, e a segurança pública. A segurança privada pode contribuir muito com informações e até tecnologia, mas a atuação preventiva e reativa só pode ser exercida pelas forças policiais, daí a necessidade de cooperação”, comenta Alexandre Judkiewicz, diretor nacional de operações do GRUPO GR.

Elaine A. F. Elisei, diretora pedagógica da Escola Educarte, Unidade Parceira do Sistema de Ensino Poliedro em Cruzeiro (SP), explica que os diferencias em relação à segurança estrutural são: câmeras desde a calçada de entrada até o pátio, e também na secretaria de atendimento aos clientes da escola; catracas de identificação com crachás para todos que estudam e trabalham; um segurança na portaria da escola; além de pelo menos mais dois responsáveis do setor em cada horário de entrada e saída das aulas. “Na educação Infantil até o Fundamental I ainda temos os seguintes procedimentos na saída das aulas: qualquer pessoa que chegar para pegar crianças na escola sem crachá de identificação deve aguardara secretaria entrar em contato para conferir a informação de que esta pessoa está realmente autorizada a retirar a criança da escola. Além de que na agenda ainda deve constar o nome e parentesco identificando quem são as eventuais pessoas estranhas à rotina escolar que comparecerão com o crachá para a retirada a criança. Os pais precisam se preocupar em relação à segurança avisando a escola quando não puderem ir buscar o filho, e também devem conferir os telefones para ligar de volta para a escola caso tenhamos que ligar para saber se foi um dos pais que realmente autorizou a saída com pessoas estranhas à rotina”.

Um bom plano de segurança consiste em conhecer, primeiramente, os riscos aos quais o empreendimento está submetido. É fundamental mapear esses riscos e classificá-los por importância e probabilidade. Com esses dados em mãos é possível identificar as vulnerabilidade e elaborar planos de proteção assertivos. Os controles de acesso, fundamentais, requerem tecnologia que suporte grandes fluxos de acesso, já que as ondas de entrada e saída de alunos são muito concentradas. Mas a integração entre a equipe humana e a tecnologia deve ser fundamental.

“Projetos eficazes de segurança em colégios e faculdades devem ser elaborados levando em conta a dinâmica idealizada pela área pedagógica para que sirva de valor agregado, tanto ao propósito da instituição, quanto auxiliando no processo educacional. Importante que o foco primordial seja sempre nos frequentadores (alunos, pais, funcionários e visitantes) e se alinhe a segurança efetiva com a transmissão da sensação de segurança”, completa Judkiewicz.

Elaine amplia ainda a questão da segurança, lembrando ainda que eles não utilizam botijão de gás, somente micro-ondas. “Tanto na escola de ensino Fundamental quanto na Infantil os portões de acesso aos alunos permanecem fechados durante as aulas. A secretaria faz o controle de pessoas que podem entrar mesmo no período de matrículas, fazendo o cadastro delas na entrada, já que muita gente vem conhecer a escola nesse período. No Infantil, os brinquedos do pátio são todos sem quinas, compostos por polipropileno rotomoldado, oferecendo muita segurança ás crianças. Inclusive, exigimos que as crianças usem tênis, para evitar quedas com chinelos ou sandálias que não se prendem bem aos pés. Não temos degraus na escola. Nossa sala de maternal possui piso emborrachado para proteger as quedas dos bebês.”, destaca.

Daniel Cohen, diretor responsável pela segurança do Colégio Renascença, explica que tanto a equipe e as instalações físicas, foram criadas sob um rigoroso padrão de qualidade e que obedecem normas de segurança internacionais. “Nossos diferenciais são a segurança 24 horas. Equipe treinada que atende normas e processos internacionais, instalações com alto nível de segurança, além de acompanhamento de uma empresa líder no mercado na questão patrimonial e física. Os pais confiam plenamente na equipe. Temos uma equipe prontamente preparada para reagir a qualquer tipo de atentado ou ameaça.”, completa.

Miguel Sanchez, gerente operacional do Eniac, explica que apesar de todo investimento em Portaria, Segurança e Vigilância, temos que o principal fator de sucesso neste quesito se dá pelo empenho, lado humano e bom senso de todos os colaboradores que fazem parte do grupo ENIAC. Todos sempre colaborando e alertas na movimentação interna e externa dos alunos, desta maneira então estamos sempre precavidos e prontos para agir em qualquer situação antes mesmo que esta aconteça. “Agora pensando técnica e operacionalmente preferimos manter uma equipe própria para realizar os serviços de Portaria, Segurança e Monitoramento, criando assim um vínculo entre pais/responsáveis e alunos, pois desta maneira conhecer nosso cliente nome a nome nos dá ampla vantagem na tratativa de cada caso.”. A escola conta com infraestrutura completa de última tecnologia em controle de acessos e monitoramento interno e externo, além de um estreito relacionamento com a GCM, que nos auxilia em toda a cidade. “Os pais e responsáveis devem estar alertas nos embarques e desembarques enquanto aguardam para estas manobras, evitar fazer estas ações longe dos locais adequados para tal e nos casos de locomoção independente dos alunos, sempre alertar quanto a utilização de bens de valores como smartphones que são alvos fáceis na ação de bandidos.”, finaliza.